Connect with us

Manaus, AM,

BRASIL

Brasileiras preparam ato mundial “Stop Bolsonaro” no dia 28 de junho

Organizadoras já contam com adesões em mais de 50 cidades, de 19 países diferentes

Publicado

em

Brasil – Se a rejeição a Bolsonaro só faz crescer também dentro do Brasil, fora dele é ainda maior, não só entre brasileiros que vivem no exterior como também entre estrangeiros, que enxergam no presidente brasileiro um dos líderes mundiais mais abomináveis do mundo. E no dia 28 de junho essa rejeição irá se manifestar conjuntamente em dezenas de cidades pelo mundo, em ao menos 20 países diferentes, no grande evento chamado “Stop Bolsonaro Mundial”.

O ato surge da iniciativa de duas amigas brasileiras que moram na Europa: Erica Caminha (de Munique, na Alemanha) e Marcia Nunes (Amsterdam, Holanda). “A ideia surgiu em fevereiro, eu conversei com a Marcia que é da Fibra (Frente Internacional de Brasileiros contra o Golpe), ela topou na hora e já começamos a articular com diversas organizações, na Europa, em outros continentes e no Brasil também”, explica a Erica Caminha.

A proposta de um evento contra Bolsonaro fora do Brasil mobilizou muita gente, especialmente entre os brasileiros que moram na Europa, mas a chegada da pandemia no Velho Continente atrasou um pouco a realização do evento.

“Veio o covid, muitos países em quarentena, e tivemos que ir empurrando o evento. Mas acho que agora ele chega em um momento ideal. Nós reativamos as conversas há cerca de três semanas, a partir de um sentimento comum de que este governo já está insuportável, com uma política genocida, então decidimos fazer marcar para este dia 28, e rapidamente as pessoas aderiram, porque acho que o sentimento de repúdio a esse personagem realmente mobiliza as pessoas”, comenta Erica.

Em três semanas, Erica e Marcia conseguiram a adesão de grupos de brasileiros e organizações civis em ao menos 52 diferentes cidades do mundo comprometidas com participar da mobilização, que estão se contactando através das redes sociais. O Stop Bolsonaro Mundial terá manifestos nas ruas, em algumas cidades, e manifestos virtuais também, dependendo da realidade que cada país e cidade participantes vive atualmente com relação à pandemia de covid-19.

“Estamos pensando em ideias inovadoras a respeito de mobilização virtual, para não deixar ninguém de fora, porque temos muita gente querendo participar, e queremos que todo mundo possa estar de uma forma segura, mesmo entre os que puderem ir às ruas”, conta Erica Caminha.

Mais Lidas