Connect with us

Manaus, AM,

POLÍTICA

Após prisão, Sara Winter tem anúncios de seu canal cortados pelo YouTube

Extremista alvo de inquérito no STF por organizar atos golpistas alega que perdeu US$ 1.800

Publicado

em

Brasília – A extremista bolsonarista Sara Giromini, que se autodenomina Sara Winter, admitiu que seu canal no Youtube foi desmonetizado após ela ser presa pela Polícia Federal, no último dia 14. Ela é um dos principais alvos do inquérito do Supremo Tribunal Federal que investiga a organização de atos golpistas.

Em entrevista para jornalistas, a bolsonarista afirmou que estava “aprendendo a ganhar dinheiro” com a plataforma e que receberia cerca de US 1.800 (cerca de R$ 9,8 mil) pelo conteúdo produzido em maio.

“Eu descobri nesses últimos meses que fazendo live você ganha dinheiro dinheiro. Enquanto eu estava aprendendo a ganhar dinheiro, tiraram a monetização. Que merda. Nesse último mês eu fechei o mês com mais ou menos 1.800 dólares, não sei se esse dinheiro vai cair na minha conta”, disse Sara, em coletiva na última sexta-feira (26). Ela afirmou ainda que sua principal fonte de renda vinha de consultoria para políticos e palestras.

Sara foi solta na última quarta-feira (24), mas é monitorada com tornozeleira eletrônica. Ela está proibida de deixar a própria casa, exceto para trabalhar ou estudar, e não pode ficar a menos de um quilômetro das sedes do STF e do Congresso Nacional.

Com mais de 242 mil inscritos, o canal da extremista no Youtube reproduz conteúdos pró-governo e contra lideranças de esquerda. O canal foi alvo de requisição de informações determinada pelo ministro Alexandre de Moraes, relator do inquérito no STF, que ordenou à plataforma o envio de relatórios financeiros e pagamentos efetuados.

Foi no YouTube que a extremista ameaçou o ministro após ser alvo de buscas e apreensões no inquérito das ‘fake news’, também relatado por ele. Em transmissão ao vivo, ela disse iria “trocar socos” com Moraes e fazer da sua vida “um inferno”.

 

Mais Lidas