Connect with us

Manaus, AM,

POLICIAL

Vulgo “Macaco” é preso acusado de mandar matar flanelinha no bairro Compensa

De acordo com a polícia, vulgo “Macaco” seria um traficante do bairro e acabou se desentendendo com a vítima dias antes do crime

Publicado

em

Manaus – César Araújo dos Santos, popularmente conhecido como ‘Macaco’, de 27 anos, foi preso na tarde desta quinta-feira (23) no bairro Compensa, Zona Oeste da capital. Ele é suspeito de mandar matar um flanelinha identificado como Robson Gama da Silva, de 36.

A prisão foi realizada pela Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), sob a coordenação dos delegados Paulo Martins e Marilia Campello, titular e adjunta da unidade policial, após uma série de investigações.

Segundo a delegada Marília, ‘Macaco’ seria traficante e negou que seria um mandante do crime. Entretanto, os dois tiveram um desentendimento quando o fato aconteceu.

“Ele nega que seja o mandante do crime. Durante a investigação nós encontramos um Boletim de Ocorrência que o César fez ameaças aos familiares do Robson. Dias antes do crime eles tiveram um desentendimento e ameaçou o flanelinha de morte. Tivemos informações que o César seria traficante e Robson atrapalhava o comércio de drogas”, comentou Marília Campello durante entrevista coletiva.

‘Macaco’ já possui passagem pela polícia. Ele foi preso em 2017 por roubo, mas foi liberado em audiência de custódia. Em junho de 2020 foi preso por porte ilegal de arma de fogo e a Justiça liberou novamente.

Morte

O crime aconteceu no dia 25 de setembro de 2019, em frente a sede Pronto Atendimento ao Cidadão (PAC) da Compensa. Robson foi atingido com cinco tiros na região da cabeça, ele não resistiu aos ferimentos e veio a óbito no local.

Segundo testemunhas, dois homens não identificados abordaram Robson e atiraram contra o rapaz. Eles fugiram do local e não deixaram nenhuma pista.

Durante a coletiva, Marília falou que Robson não possui nenhuma passagem pela polícia. ‘Macaco’ vai passar novamente pela audiência de custódia.

A equipe de investigação da DEHS continua trabalhando na busca dos suspeitos que atiraram contra Robson.

Mais Lidas