Connect with us

Manaus, AM,

SAÚDE

Governo do Estado amplia atendimentos eletivos no Hospital Delphina Aziz

Publicado

em

MANAUS – Como parte das ações do programa “Saúde Amazonas”, lançado pelo governador Wilson Lima no dia 31 de agosto, o Hospital e Pronto-Socorro Delphina Aziz inicia, neste mês de setembro, a retomada de atendimentos gerais com uma nova carta de serviços à população.

Após ser referência para pacientes com novo coronavírus (Covid-19), o hospital se tornará unidade de retaguarda e referência cirúrgica para a rede estadual de saúde, com o aumento na oferta gradual de consultas, exames e cirurgias.

“Com o ‘Saúde Amazonas’, estamos reorganizando toda a rede de assistência, e o Hospital Delphina Aziz é essencial nesse processo, essencial para que a gente possa diminuir as filas, que é a nossa prioridade maior, e melhorar o atendimento da população”, destacou o governador Wilson Lima.

A Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM) elaborou um plano de trabalho para a unidade, que deixará de ser porta aberta, a fim de reforçar o sistema de saúde e promover a redução das filas de espera. A abertura nos próximos dias do Hospital Delphina Aziz vai possibilitar a oferta de mais 12,5 mil consultas e 88,2 mil exames, já a partir de outubro.

O secretário titular da SES-AM, Marcellus Campêlo, destacou a importância que o hospital, que continuará atendendo pacientes com Covid-19, terá nesse novo momento.

“Nós estamos em um período em que os números da pandemia já mostram que nós podemos dividir o Delphina Aziz, mantendo uma ala específica de referência para o Covid. Porém, nós temos um potencial instalado muito grande no Delphina que vai servir de grande retaguarda para a rede de saúde da capital e do interior do estado”.

Durante o mês de setembro, o hospital vai funcionar com parte da capacidade para que, no mês seguinte, esteja com 100% dos serviços disponíveis. “Vamos utilizar o Delphina, a partir do mês de outubro, já na sua capacidade full (completa). Em setembro iniciamos um processo, porque vamos fazer uma transição, que hoje está exclusivo para Covid, para a divisão entre Covid e as cirurgias eletivas e o atendimento de retaguarda na rede”, disse.

Mais Lidas