Connect with us

Manaus, AM,

AMAZONAS

Amazonas apresenta redução de índices relacionados à Covid-19

Publicado

em

O Amazonas apresentou redução em índices relacionados à Covid-19. Os novos dados foram apresentados nesta segunda-feira (14/09), durante a abertura do Encontro de Avaliação das Ações de Enfrentamento e Resposta à Pandemia de Covid-19 no Estado, evento organizado pelo Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas (SES-AM) e Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM), reunindo pesquisadores e especialistas de todo o Brasil para discutir medidas de enfrentamento a pandemia.

De acordo com a diretora-presidente da FVS-AM, Rosemary Costa Pinto, o estado registra, até o momento, cerca de 128 mil casos confirmados da doença, com 3.898 óbitos. Segundo a especialista, houve uma queda de 17% no número de casos por data de diagnóstico. Há mudanças também na média móvel de casos, que apresentaram uma redução de 19% no interior e 13% na capital.

As quedas favorecem o Amazonas em comparativo a outros estados. No ranking nacional de mortalidade, o estado caiu para a 5ª colocação, apresentando um grau de letalidade estável em 3,1%. Já nos medidores de incidência, o Amazonas passa a ocupar a 7ª posição. Vale salientar que o estado já ocupou a liderança de ambos os rankings durante o pico da pandemia.

Para Rosemary Pinto, as reduções foram possíveis graças ao plano de contingência adotado pelo Governo do Amazonas, que vem surtindo efeitos, principalmente no interior. Na capital, os indicativos seguem em queda, embora em um ritmo menos acelerado que no restante do estado. Segundo a diretora-presidente da FVS, é necessário colaboração da população em adotar as medidas recomendadas.

“Nós continuamos tendo o vírus circulando, como nós sempre afirmamos. Esse vírus ainda não tem um medicamento que seja eficiente contra ele, ainda não tem uma vacina que proteja contra ele. Então cada um de nós tem que ter responsabilidade com a sua saúde. É necessário que cada um de nós continue mantendo as medidas preconizadas pela Organização Mundial da Saúde”, orienta.

Mais Lidas