Manaus|AM – A educação vem sofrendo com o descaso político do governo do Amazonino Mendes (PDT), os professores da rede estadual de ensino, vem reivindicando reajuste salarial de 35% para que o professor sinta-se valorizado.

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado do Amazonas (Sinteam), Marcus Libório, confirmou que um protesto geral está marcado para 15h de quarta-feira, 28/03, na frente da sede do Governo, na avenida Brasil, bairro Compensa, zona oeste da capital.

Com 100% das escolas das zonas norte e leste sem aula, o presidente do Sinteam informou que, na manhã desta terça-feira, 27, professores e alunos vão fazer um ‘aulão a céu aberto’, na rotatória do Produtor, na Avenida Autaz Mirim, bairro Tancredo Neves, para explicar para a sociedade os motivos e os pontos de reivindicações da greve dos professores. Outro ato também está confirmado para acontecer nas proximidades do Terminal 3 (T3), na avenida Noel Nutels, bairro Cidade Nova. Os dois atos estão confirmados para iniciar a partir das 7h.

De acordo com Marcus Libório, novo ato da categoria está confirmado para às 17h, no Largo São Sebastião, de onde devem seguir até a paróquia de Nossa Senhora Aparecida, no bairro de Aparecida, também na zona sul. No final da tarde desta segunda-feira (26), um grupo de cerca de 40 educadores se reuniram no Centro para divulgar a agenda dos ‘comandos de greve’ de cada zona da capital.

A greve geral dos educadores ligados ao Sinteam foi deflagrada às 13h desta segunda-feira. Até o fim da tarde, o governo não tinha chamado a categoria que reivindica 35% de reajuste salarial, para negociação. “Hoje (segunda-feira) nós cumprimos os trâmites legais das 72 horas. Tomamos a iniciativa de protocolar um documento junto à secretaria do governo do Estado dizendo que estamos abertos para dialogar e ouvir o governo, se eles tem alguma contra proposta para apresentar para a categoria”, disse.

Mesmo com o Associação dos Professores e Pedagogos do Município de Manaus (Asprom Sindical) dizendo que o movimento grevista organizado por eles é paralelo do organizado pelo Sinteam, Marcus Libório disse que a categoria está unificada. “Em nenhum momento o Sinteam defendeu ou propagou essa ideia de divisionismo. Pelo contrário, nós sempre chamamos a categoria para a unidade, inclusive, quando as manifestações e paralisações começaram há duas semanas, o Sinteam achou legítimo, mas precisávamos nos organizar como categoria”, comentou.

Greve

Em Manaus, 300 escolas estaduais estão com as aulas suspensas, devido à greve dos professores deflagrada na tarde desta segunda-feira (26) na capital. A estimativa é do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado do Amazonas (Sinteam). Os professores têm 19 itens na pauta de reivindicações feitas ao Governo do Estado.

O presidente do sindicato, Marcus Libório, afirmou que, além das 300 escolas, instituições de ensino de mais de 30 municípios do Estado também estão com as atividades paralisadas. Segundo o sindicalista, desde a manhã desta segunda, as aulas estavam paralisadas em escolas localizadas nas zonas norte, leste e centro da capital.

À tarde, as aulas passaram a ser paralisadas nas escolas das zonas oeste e centro-oeste. A categoria exige 35% de reajuste de reajuste salarial, pagamento de progressões atrasadas, auxílio alimentação para todos os servidores da Seduc, sem distinção de valores, com acréscimo de 100% sob o valor pago atualmente pelo governo.

Com informações do D24am

Comentários

Comentários