Eunice Dantas,  que é diretora médica e técnica da Santa Casa de Juiz de Fora, informou nesta sexta-feira, 07/09, que o candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL) usará bolsa coletora de fezes (Colostomia) que será esvaziada a cada 4 ou 6 hora, e deve ser trocada a cada 3 dias para higienização.

A médica também informou que Jair Bolsonaro chegou em estado de choque no hospital por causa do forte quadro hemorrágico, ele perdeu em torno de 40% do sangue do corpo em função da facada que levou durante ato de campanha na cidade de Minas Gerais e poderia ter morrido se não fosse o pronto atendimento.   

A perfuração atingiu uma veia abdominal, a pressão dele estava a oito por quatro quando eu vi e recebeu quatro bolsas de transfusão – explicou a médica.

O candidato do PSL à Presidência, foi transferido para o Hospital Albert Einstein, em São Paulo. 

Sobre a transferência de Bolsonaro para o Hospital Albert, em São Paulo, ela disse que a decisão foi amplamente discutida com a família e a equipe médica que, diante do quadro de estabilidade clínica, concluiu que não havia risco.

A médica disse que o paciente está com sonda gástrica e oxigenado.

Cirurgia de reversão de colostomia 

Geralmente as cirurgias acontecem entre três e seis meses ou mais, dependendo da doença.

Como em qualquer cirurgia existem riscos. Especificamente no caso da reversão, há riscos como fazer fístulas (abertura da emenda e extravasamento de conteúdo fecal para fora ou para dentro da cavidade abdominal) ou obstruções (fechamento da área da emenda causando dificuldade parcial ou total da passagem do conteúdo fecal), havendo necessidade de refazer a cirurgia.

As causas podem ser devido a má cicatrização, rejeição do corpo pela intervenção, infecção, entre outros. 

Saiba mais:

Veja momento em que Bolsonaro é esfaqueado durante ato político em Minas Gerais

 

 

 

Comentários

Comentários