Manaus|AM – O delegado que atendeu a ocorrência do homicídio do advogado Wilson de Lima Justo Filho, 35, segundo laudo do Instituto de Criminalística da Polícia Civil (PC), alegou “ausência de vestígios de ação criminosa” e liberou a limpeza do local do crime no Porão do Alemão, antes da chegada dos peritos, segundo o documento entregue à Justiça.

Em novembro do ano passado, o advogado foi morto após outro delegado da PC, Gustavo Sotero, disparar cerca de cinco tiros dentro da casa noturna. Segundo o auto de flagrante e a oitiva de Sotero, o delegado plantonista do 19º Distrito Integrado de Polícia (DIP) foi Alessandro Albino. A primeira fase do julgamento do delegado Sotero está marcada para o próximo dia 14 de junho.

O Instituto entregou para a Primeira Vara do Tribunal do Júri da capital fotos do local sendo lavado já no início da manhã, evidenciando, segundo o perito criminal Ricardo Gastone, que o local não foi isolado e preservado.

“O responsável pelo local que acompanhou os exames informou que o local já estava sendo lavado, pois o delegado que esteve na casa de show, logo após a ocorrência, durante a madrugada do dia 25, liberou o local alegando ausência de vestígios de ação criminosa”, relatou Gastone.

O perito contou no laudo que pediu que fosse interrompida a limpeza para tentar constatar as evidências de disparos na casa de shows. “Não foram encontrados outros vestígios que possam auxiliar na elucidação do caso devido à ausência da preservação e isolamento adequado do local”, disse o perito.

A perícia solicitada nas filmagens da casa noturna demonstrou, conforme o laudo obtido pela reportagem, que não houve adulteração das imagens em que Sotero aparece disparando contra o advogado.

Revogação

No final do último mês de abril, foi negado, pela quarta vez, o pedido de revogação da prisão preventiva do delegado Gustavo Sotero. Sotero está a seis meses preso na carceragem da Delegacia Geral, no Dom Pedro, na zona centro-oeste de Manaus.

Além de manter a prisão, a juíza da 1ª vara do Tribunal do Júri, Mirza Telma, determinou, ainda, a busca junto à Corregedoria de Polícia Civil (PC), do procedimento administrativo contra o delegado, sobre uma briga que o delegado se envolveu, em fevereiro de 2014, também no Porão do Alemão. Na ocasião, Sotero chegou a ser conduzido à delegacia e um vídeo mostrando delegado, visivelmente alterado, foi gravado e publicado na internet.

Fonte: D24AM

 

 

 

 

Comentários

Comentários