Foto: Reprodução

A comissão mista que analisa a Medida Provisória nº 870 da reforma administrativa decidiu, por 14 votos a 11, tirar o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) do Ministério da Justiça, nesta quinta-feira (09/05/2019). A permanência do Coaf com a pasta de Sergio Moro era defendida pelo ministro e representa uma perda para o governo de Jair Bolsonaro (PSL). Com isso, o órgão de fiscalização volta para a Economia.

A emenda de destaque que trata da mudança do Coaf pegou o governo de surpresa, uma vez que teve apoio de parlamentares com os quais o governo contava para manter o órgão fiscalizador sob o comando de Moro.

Por hora, senadores governistas têm aconselhado Moro e o próprio presidente Bolsonaro a não comprar a briga com os parlamentares, pois existem medidas mais importantes a serem negociadas, como a reforma da Previdência. Ainda há a possibilidade que o Coaf seja estruturado conforme vontade do governo, mas na pasta da Economia.

A líder do governo no Congresso, Joice Hasselmann (PSL-SP), informou que ainda vai avaliar se haverá uma articulação do Palácio do Planalto para reverter essa decisão em plenário.

Após a aprovação na comissão mista, o parecer da reforma administrativa ainda terá de ser analisado pelos plenários da Câmara dos Deputados e do Senado Federal. As informações são do Metrópoles.

Comentários

Comentários