Connect with us
               

Manaus, AM,

Coronavírus

Hospital troca corpos de vítimas de covid-19 e família enterra mulher no lugar de idoso

O hospital informou que os dados sobre as saídas dos caixões foram invertidos e vai abrir uma sindicância para apurar o que aconteceu.

Publicado

em

Além da dor da perda e de não poder velar um familiar que morreu de Covid-19, duas famílias passaram por momentos difíceis ao perceberem que os corpos de entes queridos haviam sido trocados em um hospital de Santos (SP).

O corpo de Márcia Pereira Franco, de 48 anos, foi enterrado no lugar de Marcelo Aninguaço de Oliveira, de 72 anos. As famílias explicaram a imprensa que ambos ficaram internados por 21 dias e morreram na quarta-feira (9/12) em decorrência de complicações do novo coronavírus.

Márcia realizou o tratamento no Hospital Ana Costa, e Marcelo, no Hospital Vitória. Após o falecimento, ambos foram levados para o Hospital Beneficência Portuguesa de Santos, onde foram preparados para o sepultamento.

Para a polícia, Gabryella Nogueira, sobrinha de Márcia, contou que chegaram a conhecer a família de Marcelo. Ela diz que seus familiares foram orientados a chegar ao hospital às 13h de quinta-feira (10/12). Um cortejo fúnebre, feito de carro, iria ocorrer no Cemitério Areia Branca, assim como o do idoso. Porém, a sobrinha estranhou a demora do cortejo, mas pensou que era normal. Pouco tempo depois, a organização da unidade chamou a família e explicou que os corpos haviam sido trocados.

“Quem identificou esse erro foi o rapaz da funerária. Na hora que foi levar o corpo para começar o cortejo, ele viu”, disse Gabryella.

A família de Marcelo foi avisada em seguida, mas o corpo já tinha sido sepultado.

“Eu estava saindo do cemitério quando a moça da administração chamou a gente para falar que havia um problema, e que o pessoal da Beneficência tinha pedido para que eu fosse lá reconhecer o corpo do meu pai. Falei que tinha acabado de enterrá-lo, e foi quando ela falou que tinha ocorrido a troca”, contou Márcia Bastitas de Oliveira, filha de Marcelo em entrevista a imprensa local.

Depois que o erro foi identificado, o corpo da mulher foi desenterrado e encaminhado mais uma vez para o hospital, onde os familiares realizaram um novo reconhecimento.

Gabryella considera a situação inadmissível e absurda. “A sensação é de impotência, injustiça e falta de empatia. A minha avó teve que reconhecer o corpo pela segunda vez, é muito complicado. Muito triste.”

O caso foi registrado no 5º Distrito Policial de Santos e será investigado pela Polícia Civil.

A Beneficência Portuguesa de Santos informou, em nota, que os dados sobre as saídas dos caixões foram invertidos e vai abrir uma sindicância para apurar o que aconteceu para apurar as responsabilidades pela troca.

Mais Lidas