Connect with us
               

Manaus, AM,

BRASIL

Vídeo mostra pais de criança batendo em médica dentro de hospital. Assista!

Publicado

em

Câmeras de segurança de um hospital particular em Niterói, no Rio de Janeiro, mostram o momento em que uma pediatra é agredida pelos pais de uma criança. Com informações do Notícias BOL

O caso aconteceu na madrugada do dia 2 de abril, mas foi divulgado no último domingo, 15/07, pela Globo News, junto com as imagens que mostram a médica levando tapas, socos e puxões de cabelo.

A pediatra Lyse Soares, de 34 anos, afirma que recebeu os pais com a criança na noite anterior. Por conta da febre, “foi feita uma dipirona muscular, pois a mãe alegava que o menor não ingeria nenhuma medicação oral”. Um exame físico também foi solicitado pela mulher e os resultados foram normais. A família foi liberada para casa, munida de medicação.

No entanto, horas depois, já na madrugada do dia 2, a pediatra conta a família retornou e a criança estava com febre alta, sendo atendida por outra médica.

“Outra médica me chamou porque os pais estavam exaltados, exigindo medicação injetável para a criança. Expliquei que excesso de medicamento poderia fazer mal e sugeri colocar compressas para que a febre cedesse. Eles não aceitaram e exigiram a internação”.

Mesmo contra-argumentando, os pais se recusaram a aceitar as ordens. O pai chegou a se identificar como advogado e ameaçou processar a pediatra, que foi agredida momentos após: primeiro pela mãe e depois pelo pai.

Um boletim de ocorrência foi registrado contra os pais da criança e abriu um processo contra o próprio hospital: “Não me deu nenhum apoio, alegando que tinha sido um problema pessoal meu”.

OUTRO LADO

Na versão dos pais, eles afirmam que a médica teria negado prestar atendimento ao filho deles e por esse motivo vão entrar com ação na justiça contra a profissional e o hospital.

Eles contam que naquela madrugada a criança chegou com uma febre de 42 graus, por isso buscaram atendimento, e iniciaram a discussão porque os médicos disseram que a internação da criança não era necessária.

O pai da criança, Paulo Ricardo Rodrigues, afirmou que não viu a esposa agredindo a médica, mas que teria compactuado com os socos por puro impulso.

O caso agora foi apurado pelo Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro (Cremej).

ASSISTA AO VÍDEO:

https://www.youtube.com/watch?v=Z7T_5uGIb2M

 

VEJA TAMBÉM: 

https://www.amazonasnews.com/amigos-gays-sao-expulsos-por-segurancas-do-flutuante-sun-paradise/

 

 

Mais Lidas